sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Lula, você será lembrado


Hoje é o último dia de Lula no cargo, e ele vai deixar saudades. Sai com aprovação recorde no mundo, com 87% de aprovação. Quem chegou perto disso? Michelle Bachelet (Chile) e Nelson Mandela (África do Sul), com 84% e 82%. A diferença é que Bachelet não conseguiu fazer seu sucessor, enquanto a de Lula toma posse amanhã (nossa primeira presidenta, que no início do horário eleitoral teve sua luta pela liberdade comparada à de Mandela). Pra efeito de comparação, FHC deixou o governo com 26% de aprovação. É esse o placar: Lula 87% vs FHC 26%.

Eu não entendo muito bem o ódio a Lula. Ontem, por exemplo, os 6% que não aprovam seu governo puseram nos Trending Topics do Twitter a tag Fora Lula. Quer dizer, o cara vai sair hoje de qualquer jeito, então por que gritar "Fora Lula"? Deve ser a vontade de quem perdeu três eleições seguidas ter o gostinho de poder ganhar alguma coisa. Vai que eles narram a história pros netinhos como o dia em que foram capazes de tirar Lula do poder. Um blog de extrema direita escreve rancores assim: “Sabe, Lula, sabe quem estuda, quem tem educação, quem tem vergonha na cara, quem conhece malandro? Estes brasileiros desprezam você. Tem nojo de você. Tem asco de você. Não podem nem ouvir a sua voz pegajosa, as suas piadinhas de baixo nível, o seu caráter do mais baixo calão. [... Você] será lembrado como um chicaneiro, um populista ardiloso, um espertalhão, um estelionatário eleitoral. Você fez o que, Lula? [...] A verdade, Lula, é que você pegou tudo pronto”. E continua, sem disfarçar o seu nojo pessoal por uma pessoa que não conhece.

A maior parte do ódio contra Lula é preconceito de classe. É só ver como o vocabulário do fascistóide que escreveu as linhas acima copia a visão hierárquica que tem da sociedade: baixo nível, baixo calão. Pra eles, a gente nasce em castas, e quem nasce rico ou classe média é porque mereceu. Um indivíduo pode até sair da sua classe, mas apenas com seu esforço próprio, sem nunca depender de um aparato social.

O conceito de meritocracia se baseia na exclusão. O próprio Lula é um símbolo de quem, pra eles, jamais poderia ter “chegado lá”. Não porque ele foi beneficiado pelo Estado, mas por ser tosco, sindicalista (patrão é bom, sindicato é ruim), de uma região atrasada. O mínimo que se podia esperar dele, com essas qualificações (pô, ele nem fala inglês!), é que fizesse um péssimo governo. Que afundasse de vez o país, pra gente se ver livre dessa raça por pelo menos trinta anos. E, no entanto, ele fez uma excelente administração, aprovada por 87% dos brasileiros. Como explicar?

Dizendo que ele pegou tudo pronto, que no fundo não fez nada, e que todos que não têm essa opinião ou são analfabetos como ele ou são comprados. Porque quem está certo são esses 6%. Esses 6% que não têm um argumento sequer que não seja baseado em ódio irracional, mas que só podem estar certos.

Pra imensa maioria, Lula é o maior presidente que o Brasil já teve.

[Lola, Escreva Lola]

No quiero perder las cosas que me quedan por hacer

... No quiero olvidar las cosas que planeaste para mí.


terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Das conversas os amores


Fechei-me com as janelas envidraçadas da sala enclausurando um mundo iluminado pela tela de um notebook que tocava uma canção triste e desenhava na vida a alegria expansiva da solidão

Vidrei o mar atravessado à casa e a luz do poste cavalheiro que se apagava ao charme do cair da noite azul e cinza que ascendia da terra fria do choque do mar com a areia abandonada que me fez pensar no amor e virar-me em amar porque não era noite mas também não era dia à altura que os sentimentos se punham no horizonte sem sequer prometer retornar para que eu me despedisse como quem uma última vez solicita o amor que nasceu comigo menino nas lágrimas com que desenhei minha a praia

Eu sou um cara legal e você é uma menina legal então deixa eu te falar de amor sob esse céuzão estrelado sem querer esse corpo insensato que queima com palavras os desejos que eu quero ver nos teus olhos a lua quando tu me falares e depois ouvir que não te quero amante nem beijos amores mas menina de sonhos e encantos que volta com a noite e meia em mar e me espera sentada nessa praia linda desde o nosso primeiro verão


[Escrito pelo poema que eu quero ler. Acho que sempre.]

domingo, 26 de dezembro de 2010

“Eu duvido de quem sobreviva com um salário de 11 ou 12 mil reais”


Aumento forte e significativo no salário dos deputados, nos 45 do segundo tempo do ano, expressa um encerramento de 2010, no mínimo, decepcionante


A gente está acostumado a ver reivindicações de aumentos de salários nas taxas mensais com estimativas de 2%, 6% ou até uns 15% [quando muito] em contextos compreensíveis da ainda desigual realidade do nosso País.

Agora, imagine o aumento de 62% no bolso dos nossos queridos deputados, somando R$ 26.723,13. Muitos números, não? Cômico, pra não dizer trágico. Vergonhoso, pra não dizer traiçoeiro.

Sei que esse assunto está batido, indignante e até mesmo risível. O senso comum insiste em bater na tecla do: “nem é surpresa”, “político é tudo assim mesmo” e “nada vai mudar”. É verdade se pensarmos que até não seja de se surpreender em um País, onde o questionamento popular e a mentalidade crítica e ativa diante das decisões do Estado, ainda é muito inferior - comparados à grande massa social existente. Amanhã a maioria já esqueceu. Mas, honestamente... tem como não deixar de pensar que, a audácia constrangedora somada a petulância injusta e irresponsável dos nossos representantes que votaram a favor do próprio aumento exacerbado de seus bolsos, causa no mínimo, um transtorno difícil e, eu diria, impossível de ser compreensível na nossa cabeça?

O País onde o salário mínimo trabalhista dificilmente avança em termos significativos, é o mesmo País onde o operário faz das tripas, coração para pagar as contas do mês e se preocupar com tudo que um “cidadão comum” [que pelo visto, é bem diferente mesmo dos deputados, caro deputado Abelardo Camarinha] tem.

De fato, nós, cidadãos comuns, somos de uma realidade distante da de vocês, deputados. A maioria de nós não tem um plano de saúde para podermos tirar do nosso salário e pagar todo mês como segurança de uma vida mais cuidada. Nós contamos com o SUS que muitas vezes nos deixa na mão. A nossa diferença também é que nossos filhos estão nas escolas públicas e muitos deles, ainda se alimentam nas próprias escolas, pela dificuldade que o Brasil ainda tem nos altos índices com a fome - mesmo que sim, reconhecidamente têm sido diminuídos nos últimos anos. É verdade, senhor Camarinha, nós não viajamos toda hora, muitos de nós ainda não entramos em um avião. Raramente fazemos longas e luxuosas viagens nas nossas pequenas férias e não é nada fácil quando queremos visitar nossa família que mora em outra cidade, outro estado, outro país.

Nosso ano é tão corrido, deputados, que parece não dar conta da maioria dos nossos desejos de uma vida melhor. Nossos planos, sabem? Nesse ponto, somos parecidos com vocês. Nós também temos. Os sonhos que projetamos sozinhos ou com as pessoas que amamos. Nós também somos convidados para casamentos, formaturas e festas. A diferença é que “somos cidadãos comuns” com dificuldade bem superiores a de vocês, comparadas aos nossos baixos salários.


Para quem tem uma boa posição social,
falar de comida é coisa baixa.
É compreensível: eles já comeram. [Bertolt Brecht]

Abaixo, o pensamento do Plínio Arruda, que é semelhante ao meu, quanto à injustiça do processo político e a ausência do protesto, do questionamento e da militância – tão significativos – na vida social.


Para 2011, eu quero mais igualdade.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Presente de natal para a memória histórica brasileira




A condenação do Estado brasileiro pela Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) na Organização dos Estados Americanos (OEA) – como responsável pelo “desaparecimento forçado” de 62 pessoas entre 1972-1974 durante a Guerrilha do Araguaia nos anos de chumbo da ditadura militar – é uma vitória dos que lutam pelos Direitos Humanos no país e pela real consolidação democrática brasileira.

É um merecido e esperado tapa na cara da arrogância dos militares e do Judiciário do Brasil que, entretanto, insistem em manter, ridicula mas preocupantemente, o narizinho empinado diante da retumbante derrota.

Essa condenação se anunciava desde maio deste ano, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) se negou a rever a Lei de Anisitia (6.683/79) e considerou incluídos na Lei todos os que cometeram “crimes políticos ou conexos” durante a ditadura, inclusive os de tortura. O caso que tramitava na OEA era a principal esperança de que, internacionalmente, o Brasil acabasse em posição difícil em matéria de Direitos Humanos.


UM CONSTRANGIMENTO NECESSÁRIO para revelar que o país que joga ás vezes de potência regional, tentando sentar-se como potência global, buscando inclusive atuar como mediador de conflitos e força estabilizadora, não é capaz de lidar com o seu próprio recente e vergonhoso passado, principalmente depois de ter recebido aval da sua maior instância judicial para tolerar a prática de tortura.

Por isso a condenação do governo brasileiro com base na Convenção Americana de Direitos Humanos (Pacto de San Jose da Costa Rica) é uma vitória paradoxal pois é péssimo para a imagem do Brasil em nível internacional. Revela um país não respeitador dos direitos e que em função disso pode inclusive sofrer conseqüências penais e econômicas decorrentes da decisão do Supremo. Nossa principal Corte de Justiça toma uma decisão dentro de sua autonomia, mas sem compatibilizar com os tratados e as convenções internacionais das quais o Brasil é signatário, sobretudo o Pacto de San Jose da Costa Rica.

Tal situação reforça a conhecida e deprimente fragilidade do Direito Internacional e revela a arrebatadora, quase repugnante, contradição em que o nosso Judiciário se embrenhou. O presidente do STF, ministro Cezar Peluso, afirmou que a sentença da OEA “não revoga, não anula, nem cassa a decisão do Supremo”, já que “sua eficácia é apenas no campo da convencionalidade”.

Isto é, com toda a cara dura que deus lhe deu, o presidente do nosso Supremo Tribunal explicita que, quando a coisa aperta, o que vale mesmo é a realpolitik, danem-se os tratados internacionais! Deve ser bonito assinar convenções e tratados internacionais, e aparecer na lista da ONU como um Estado de valores democráticos e comprometidos com os Direitos Humanos, mas quando a porca torce o rabo, ela grita! Afinal, tratados internacionais são apenas convencionalidades…

E no rebolar para tentar legitimar uma tese, vale até dedo no olho, ou apelar para o patriotismo. Outro ministro do STF, Ricardo Lewandowski, sentenciou que decisão da OEA “não obriga o Supremo a recuar”, porque “prevalece a decisão do STF como órgão supremo do Judiciário e parte da soberania do país”.

A TESE DEFENDIDA PELA OAB junto ao Supremo Tribunal Federal – na Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) nº 153 – sustenta que a Lei da Anistia não se aplicaria aos torturadores, pois os crimes de tortura não seriam “crimes políticos e conexos”, mas sim crimes comuns. A Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA concorda e sentenciou que as disposições da Lei de Anistia que impedem a investigação e sanção de graves violações de direitos humanos são incompatíveis com a Convenção Americana.

Mas nosso Supremo Tribunal age como a criança dona da bola: jogo onde quiser, se não levo a pelota embora. Ou, em outras palavras, a principal Corte de Justiça do continente diz que o Brasil está errado, mas nossos ministros dizem que nas questões da transição política dos anos 80 ninguém mais pode se meter; é competência “soberana” dos juízes brasileiros.

A Lei da Anistia sempre foi entendida como um tema determinante para a consolidação do regime democrático, mas as vontades políticas de escamotear o passado para garantir a velhice confortável e obscura de militares que atuaram criminalmente, mesmo que ao preço de tolerância para com a tortura impetrada por agentes do Estado, se mantêm firmes e agem para assegurar que as tiranias permaneçam sob o tapete.

E é assim que o Brasil segue reforçando seus estereótipos de pais do oba-oba, de sol e festa, onde tudo pode, onde para tudo se tem um jeitinho, onde as instituições não são sérias, onde é fácil cometer barbaridades e sair ileso, o paraíso, tropical, da impunidade.

Logo, o ministro de Defesa, Nelson Jobim, reforça-se como um dos maiores mistérios do governo petista. Quais serão as manobras e interesses das forças partidárias, e/ou “ocultas” do poder no nosso país para que se mantenha esse senhor no Primeiro Escalão governamental?

Jobim, com sua subserviência os Estados Unidos agora desmascarda pelo Wikileaks, foi um dos primeiros a gritar contra o Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3) no ano passado e segue investindo seu expediente em proteger torturadores do regime militar se opondo ferrenhamente a qualquer iniciativa em favor da memória e da verdade.

PARA ESSA VOZ PRO-IMPUNIDADE QUE É, ABSURDAMENTE, O NOSSO MINISTRO DE DEFESA – mais uma vez – a decisão da Corte Interamericana de Direitos Humanos de condenar o Brasil é “meramente política”. Jobim acredita que a sentenca da OEA não tem efeitos jurídicos no Brasil e afirma que não há possibilidade de punição para os militares que praticaram tortura no país.

Contudo, a decisão da OEA é um marco histórico porque pode se firmar como determinante na questão do respeito aos Direitos Humanos no Brasil. O país não tem o direito de seguir se omitindo – e fugindo – da busca da verdade sobre os reais acontecimentos durante a ditadura militar.

O Poder Executivo e a sociedade civil têm agora um estimulo internacional e não podem esmorecer. No Ministério da Justiça funcionam as comissões da Anistia e a de Mortos e Desaparecidos Políticos. E, por mais perseguição que tenha sofrido, segue em discussão a criação da Comissão da Verdade do Brasil para finalmente estabelecer um divisor de águas na história do país.

Segundo o sociólogo Gilson Caroni Filho “o entulho autoritário, no Brasil, apenas cresceu durante a longa noite dos generais”. A revisão da Lei da Anistia, o enfrentamento do vergonhoso passado brasileiro é uma questão para além das diferenças ideológicas: é uma necessidade cultural. Os torturadores devem se sentar no banco dos réus para evitar que novos crimes dessa natureza voltem a ser cometidos: a inviolabilidade dos Direitos Humanos no Brasil deve ser um pilar do projeto de nação de um Estado que finalmente começa a deixar de ser o país do futuro para construir o presente.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

O som da fúria

O rock foi a trilha sonora dos movimentos de protesto
que varreram o mundo nos anos 1960



[A resistência passiva cedeu lugar à indignação e, depois, à raiva.
Mostrando que não eram de todo ignorantes em Shakespeare, os escribas do Novo Jornalismo criaram um chavão para o rock: o som e a fúria.]


Um marco na história da música, do comportamento e da busca pela liberdade. O movimento da contracultura está chegando aos seus 50 anos. Lembrar ou querer conhecer esse excitante conturbado e revolucionário momento, soa como abrir os olhos, os ouvidos, o corpo e a mente para as mudanças, que, durante meio século, ocorreram no imaginário que transporta a realidade humana.



[Apesar (ou por causa) de todos os seus conflitos, os anos 1960 foram uma época fascinante. Parafraseando Dickens, na sua famosa descrição da Revolução Francesa: “Foi o melhor dos tempos, foi o pior dos tempos, foi a idade da razão, foi a idade da insensatez, foi a era da crença, foi a era da incredulidade, foi a era da luz, foi a era das trevas, foi a primavera da esperança, foi o inverno do desespero…”, os anos 1960 foram a década que definiu o século 20.]


Sugiro a leitura do texto de Roberto Muggiati, na edição do mês passado na Revista Cult, trazendo a tona a trajetória do rock a partir dos anos 60. Acesse aqui.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

permanece.

.




"O que é verdadeiro volta? Não. O que é verdadeiro não vai.
O que é verdadeiro permanece."
[Nicholas Sparks]




.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Quiero estar tan cerca que te pueda yo tocar


Quiero navegar el mar de tu mirada
Y saber que no habrá nada
Que me aparte de Ti...

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Eterno

Falar de amor
É quando quero te dizer
Que tua simples existência
Construiu em mim
Afetos e caminhos
Destinos, sonhos e lições.

Eu ontem quis te abraçar
Por lembrar da nossa infância
E dos teus cuidados
Tão zelosos e ingênuos.

Eu hoje quero te selar
O aprendizado de crescer ao lado teu
E a superar as dores
Quando lembrei da tua gratidão aos sonhos
E dos teus passos adiante a escuridão.

As minhas fraquezas tornam-se fortalecidas
No tocar do teu violão
O meu silêncio se transformou num companheiro bom
Através da tua sensibilidade.

Pode o tempo passar
Eu não vou esquecer do que vivi
E do teu amor que me abraçou
Carinhosamente sem motivos
E com incondicionáveis seguranças

... Aconchegantes
E eternas em mim.

[Em homenagem ao meu irmão Giovani (lado direito da foto), aniversariante de hoje].

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Gulivers, Valentinos e enfim...


Essa foto não significa apenas três seres sorrindo para a lente de uma câmera. Tampouco não apenas serve para aquelas clichês fotos da agenda social de Pelotas. Ao menos pra mim.

Ela personifica uma nova parceria de torcida para que as coisas continuem dando certas. Amanda (@) e Yéssica (@) fazem parte da nova produtora Truca Audiovisuais e merecem meu apoio pelo carinho e como jornalista cultural - que busca coisas novas e de qualidade nessa satolep.

E essa foto, aos meus olhos, me remete a coisas boas para um futuro que acaba de bater em nossa porta.

Parabéns, gurias, pelo esforço na última quarta-feira, pela produção do show da Gulivers e da Valentinos. Pelotas anda precisando disso.

E a gente vai se encontrar mais vezes, eu tenho certeza.

diiamante.

sábado, 11 de dezembro de 2010

Das Charqueadas aos dias atuais: a trajetória do tambor dos pampas


"Pois a liberdade é como um salto.

O impulso são os nossos punhos."
[Oliveira Silveira]


A trajetória do que poderia ser considerado um simples instrumento, se transforma numa jornada de descobrimento de processos históricos que teimam em contrapor a verdade idealizada daquilo que se considera oficial no Rio Grande do Sul. Com um toque grave e de grandes proporções, o tambor de sopapo, hoje montado principalmente pelas mãos de nomes pelotenses, não deixa morrer a memória das traições, do genocído do povo negro e, acima de tudo, da sua grande e essencial contribuição cultural para o estado e para o Brasil.

As mãos que hoje massageiam o couro, que retumbam distante o som inconfundível do pampa gaúcho, são as mesmas que há séculos foram retiradas de seus lares em algum lugar de uma África distante e que construíram a suor e muito sangue as riquezas e o imaginário que nunca lhes pertenceram.




Lançamento oficial do documentário O Grande Tambor, produzido pelo Coletivo Catarse: em Pelotas, no dia 12 de dezembro, às 20h no Teatro Guarany.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

O Som do Tempo (The sound of Time)


"O sertão está em toda parte, o sertão é dentro da gente."
[Guimarães Rosa]


O concreto avança contra dona Maria, mas ela segue em frente, com toda calma do mundo.

O Som do tempo, um filme-documentário de Petrus Cariry personifica uma grande e bonita sensibilidade estética. A obra, já vencedora em diversos festivais nacionais de cinema, foi a mais contemplada no II Festival de Cinema Manuel Padeiro, levando para a casa 5 prêmios nas categorias de Melhor Trilha Sonora, Montagem, Fotografia, Direção e Melhor Filme Documentário.

A produção, vinda do Ceará, traz o silêncio da fala e o som do ar, da vida, do sentido e do tempo. E indica uma relação do homem no mundo paralelo entre a cidade e seu ambiente natural.

O Som do tempo é belo por ser simples. Simples por ser verdadeiro. E sensível por ser humano.

Dossiê Ditadura: Mortos e Desaparecidos Políticos no Brasil (1964-1985)

Tocar nos corpos para machucá-los e matar. Tal foi a infeliz, pecaminosa e brutal função de funcionários do Estado em nossa pátria brasileira após o golpe militar de 1964.
Tocar nos corpos para destruí-los psicologicamente e humanamente. Tal foi a tarefa ignominiosa de alguns profissionais da Medicina e de grupos militares e paramilitares durante 16 anos em nosso país. Tarefa que acabamos exportando ao Chile, Uruguai e Argentina. Ensinamos outros a destruir e a matar. Lentamente e sem piedade. Sem ética, nem humanismo.

Macular pessoas e identidades. Perseguir líderes políticos e estudantis. Homens e mulheres, em sua maioria jovens.
É destas dores que trata este livro. É desta triste história que nos falam as páginas marcadas de sangue e dor.


Dossiê Ditadura: Mortos e Desaparecidos Políticos no Brasil (1964-1985) é um livro de dor. Um memorial de melancolias. Um livro que fere e machuca mentes e corações. Um livro para fazer pensar e fazer mudar o que deve ainda ser mudado e pensado em favor da vida e da verdade. Um livro dos trinta anos que já se passaram.
Mas também um livro que faça a verdade falar, gritar e surgir como o sol em nossa terra. Um livro que traga muita luz e esclarecimento nos anos que virão.

-

No mês passado, entrevistei o professor Enrique Padrós. Ele esteve presente em Pelotas, dentro de uma programação do IMA juntamente com a Bibliotheca Pública Pelotense. Tanto em sua palestra, como na nossa conversa, ele abordou o tema das ditaduras militares no eixo Brasil-Uruguai, as memórias, as lutas , as dores e os esquecimentos.

[Arquivo RádioCom – 03/11/10 - Programa Navegando]





Nunca mais a escuridão e as trevas. Nunca mais ao medo e à ditadura.
Nunca mais à exclusão e à tortura. Nunca mais à morte.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Eu já cansei de imaginar...




paz, eu quero paz...


(...) que não demora pra essa dor
sangrar.

.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

No meu filme

No meu filme, pés descalços pisam e passam sobre pedras na margem do rio. Escravos em fuga. Aparece, em plano aberto, cascatas e um grupo de capitães-do-mato...
É um filme sobre liberdade, coragem e sonhos. Acho que o roteiro vai ficar bacana.

.
No meu filme não terá romance, mas o amor se manifestará de várias outras formas... Porque vai cortar em 1840 e cair no agoraqui, neste exato espaço-tempo, não mais Vila, nem São Francisco de Paula... Pelotas.
E a escravidão não é mais laboral... é do consumo, é do medo, é da entropia que encolhe a vida e torna a moldura dos fatos, um fator impenetrável, é da submissão e da cultura de massa. É o tempo em que se escolhe ser escravo, a Era do escravo-livre... Mas não existem questionamentos... Tudo é o que exatamente é... Ainda mais no meu filme... No meu filme, milagres acontecem. E sonhos se realizam.

.

O meu filme tem gente boa. Um pessoal que se comunica em sorriso e arte. E se encontram, materializando utopias, encontrando espaços para manifestações. O meu filme acontece agora, embaixo dos meus pés... é quase um filme ao vivo, e eu o protagonizo, e este fato é importante de lembrar.
E nele cada segundo é um take, infinitamente posterior ao outro, até o ápice de minha relativa eternidade. E no meu filme aparecem universidades envoltas num mesmo processo, existe uma comunidade sedenta de si, um apoio público e um pessoal que trabalha sério e arduamente para dar presente às outras pessoas.

É tipo uma máfia... só que uma máfia do bem, entende? E ela se fortalece a cada instante, essa tal máfia... e tem várias variáveis de finais legais...
mas eu nem quero ainda pensar em finais.

.

No meu filme tem escravo homenageado para resgatar outros tantos e a moral vai ser para que nunca deixemos os sonhos à deriva. Que nunca sejamos escravos... e que façamos o bem. Acho que é por aí, como a vida que co-crio, cheia de cenas belas, vistas de dentro da cara...
.

Porque viver é estar constantemente em cena.


[Em homenagem a Manuel Padeiro - D.K.]

domingo, 5 de dezembro de 2010

Curta: O Trompete de Churchill

Curto e aceleradíssimo curta-metragem da cadeira "Som" do curso de Cinema de Animação da UFPel.

Narra a história fictícia (ou não) de Winston Churchill que, além de uma figura histórica, foi um mal ou bem sucedido trompetista.

O vídeo foi feito a partir da música, que varia de acordo com os estilos musicais, que o falecido 1º Ministro do Reino Unido tentou se familiarizar pela vida.

Produzido por meus amigos: Juliano Lima, Caio Mazzilli e Carolina Gaessler.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Manuel Padeiro / Festival de Cinema em Satolep

No mundo tridimensional, tudo o que é matéria se constrói e perece.

Das pirâmides aos corpos, da pedra ao pó. Porque o tempo é absoluto, o espaço, relativo. Apenas sobra, entre nomes e ruínas, o grande rio da história, que vaga até o mar da contemporaneidade.

Manuel Padeiro era escravo, oriundo da Costa do Ouro, na África. Em Pelotas, liderou o movimento quilombola e tornou-se uma referência quando se fala em liberdade e igualdade racial. O Zumbi dos Pampas, agora, empresta seu nome a um outro processo de libertação. Um grito sem dor, sem chibata, sem saladeiros... Pois a arte não está aprisionada a monumentos... a arte pulsa, enquanto houver humanidade.

.

O Festival Manuel Padeiro de Cinema e Animação chega para transportar Pelotas ao cenário do cinema nacional, com uma mostra competitiva ao ar livre de curta-metragens nacionais, nas categorias ficção, documentário, animação, videoclipe e vídeo universitário. Além disso, a mostra paralela, que ocorre na sede do Curso de Cinema e Animação e o incentivo à vinda dos diretores classificados à mostra competitiva, buscam fazer da cidade, outrora tão voltada para o cinema, um fórum de debates e discussões cinematográficas que envolvam arte e sociedade.

Este ano, o evento ocorrerá no Parque Museu da Baronesa. E terá o financiamento com mais de R$ 25 mil em prêmios, através da Lei de Incentivo à Cultura do Rio Grande do Sul.

O Festival é uma realização da Gaia Cultura e Arte juntamente ao Curso de Cinema e Animação do Instituto de Artes e Design da UFPEL (Universidade Federal de Pelotas).


Confira a programação que acontece a partir de hoje (01) e vai até o dia 4, clicando aqui.

domingo, 28 de novembro de 2010

Wedding November Rain


27.11.10

Mais uma amiga que casa!

Felicidades e muito amor à Thaís e Jonas.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Amar o amor, amar a vida

"Descobri que eu devo manter as coisas simples."



Conheci Junior Secco há alguns anos atrás em Sapiranga, no Rio Grande do Sul.
Os planos e os sonhos, o levaram para o Canada, onde conheceu Lois e casou. Com voltas para o Brasil em 2008, eles – viajantes, - estão agora morando no País de Gales.

Secco e Lois vivem uma vida bonita. Eles vivem de arte. Lois pinta quadros e confecciona jóias. Secco faz sessões e workshops de bateria para músicos e estudantes do instrumento. Lois também toca piano. E os dois amam amar.






[ Fotos: Eles e obras de Lois ]

“Tentamos dedicar a maior parte do nosso tempo em sermos criativos, mesmo com o mínimo que seja. No decorar da nossa casa, ou sendo músico de rua. Sempre tentamos nos envolver na sociedade em que vivemos e ter um relacionamento com ela, fazendo música e arte com amigos. E o mais importante: tentamos amar as pessoas por quem elas são”,
ele me disse.

Eles gravam vídeos também. Muito bem feitos.
E eles me trazem uma sensação boa. Que eu não sei explicar.


Usando stop motion (600 fotos)



De onde vem a calma


Eu vou ficar são
Mesmo se for só..




De onde vem o jeito tão sem defeito
Que esse rapaz consegue fingir?
Olha esse sorriso tão indeciso
Tá se exibindo pra solidão
Não vão embora daqui
Eu sou o que vocês são
Não solta da minha mão
Não solta da minha mão.

Eu não vou mudar, não
Eu vou ficar são
Mesmo se for só
Não vou ceder
Deus vai dar aval sim
O mal vai ter fim
E no final assim calado
Eu sei que vou ser coroado
Rei de mim.

Composição: Marcelo Camelo
Interpretado por Rubi, em 2006.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Jamia Nash me emociona

Ela começou cantando aos 2 anos de idade. E é simplesmente uma surpresa.
Canta tal qual uma cantora consagrada com anos luz na estrada.

Jamia Simone Nash fez participações em alguns filmes e tem surpreendido o mundo, por onde passa, através de sua voz.


Participação no filme August Rush [O som do coração]


Bataclã FC – Barulhinho que é do bom

A experimentação e a busca pela música essencialmente brasileira,
universal, mestiça, como a gente desse lugar

No Dia da Consciência Negra, minha cidade recebeu a banda Bataclã FC para se apresentar em um show a céu aberto, na Duque de Caxias.

Após a apresentação de outras bandas e ainda com problemas no som e na organização do evento, Bataclã trouxe, através de sua música e suas mensagens, reflexões pertinentes acerca do contexto do negro no Brasil.

O show contou com a parceria da banda com os músicos de Pelotas: Kako Xavier, Alemão e Davi Batuka. A organização do evento foi do SESC juntamente com a Prefeitura.

Destaque para o grande músico uruguaio Sebastian Jantos, que fez participação especial, além de ter se apresentado com um belo show na noite de sexta, em Pelotas. Em breve, falarei sobre ele.

Espero ainda nessa semana, upar o áudio da entrevista com a banda, Sebastian e com o professor Mario Maia num especial ‘Consciencia Negra’ no programa Navegando Rádiocom.

No video: Bataclã, no Teatro Túlio Piva, em Porto Alegre/RS




sábado, 20 de novembro de 2010

20 de Novembro

“Encontrei minhas origens
Na cor de minha pele
Nos lanhos de minha alma
Em mim
Em minha gente escura
Em meus heróis altivos
Encontrei
Encontrei-as enfim
Me encontrei.”

Oliveira Silveira, o "negro de alma negra", tornou-se um dos mais influentes ativistas do movimento negro da história brasileira. Foi um dos criadores do Grupo Palmares, de Porto Alegre e estudou a data de 20 de Novembro, lançada e implantada no Brasil pelo Grupo , a contar de 1971, tornando-se Dia Nacional da Consciência Negra em 1978, denominação proposta pelo Movimento Negro Unificado contra a Discriminação Racial.

Teve constante atuação por meio da militância política e da produção literária negra. Fundou o grupo Semba, a Associação Negra de Cultura e integrou o corpo editorial da revista Tição ( no final dos anos 70). Com presença marcante, participou da produção cultural gaúcha, compôs rodas de intelectuais e formadores de opinião. O pesquisador também escreveu uma dezena de livros e inúmeros poemas acerca da vida dos negros no Rio Grande do Sul e sobre a questão negra de forma geral. Morreu aos 67 anos, em 1º de janeiro de 2009 deixando um legado de luta, identidade e esperança para o movimento negro brasileiro.
.


"Considero a luta por justiça social e pela dignidade dos povos
como parte integral da luta por nações mais justas e seguras,
por uma comunidade internacional mais justa e coesa,
e por um futuro de vida humana capaz de sustentar com dignidade nossa população,
nossos ambientes e nosso planeta."

Abdias Nascimento, ao longo de seus 96 anos, esteve presente e participou de inúmeras passagens importantes das lutas negras do século 20, não só no Brasil, mas também nos Estados Unidos e na África. Sua vida é ela mesma, a própria história da luta negra.

Na entrevista a seguir [publicada pelo Brasil de Fato] respondida por e-mail por sua esposa, Elisa, e subscrita por ele, Abdias dá um recado à nova geração de jovens negros militantes: “O conselho que dou para essa juventude é estudar, aprender, conhecer e se preparar para, então, se engajar: agir, criar, interagir e participar da construção das coisas.”

O senhor esteve no exílio, de 1968 a 1981, por conta da enorme repercussão que teve a sua “carta-declaraçãomanifesto” na qual denunciava a farsa do paraíso racial que se dizia viver na América Latina. Como o senhor avalia a questão da “democracia racial” no Brasil de hoje? Onde é possível dizer que a crítica a ela colheu frutos?
O racismo no Brasil se caracteriza pela covardia. Ele não se assume e, por isso, não tem culpa nem autocrítica. Costumam descrevê-lo como sutil, mas isto é um equívoco. Ele não é nada sutil, pelo contrário, para quem não quer se iludir, ele fica escancarado ao olhar mais casual e superficial. O olhar aprofundado só confirma a primeira impressão: os negros estão mesmo nos patamares inferiores, ocupam a base da pirâmide social e lá sofrem discriminação e rebaixamento de sua autoestima em razão da cor. No topo da riqueza, eles são rechaçados com uma violência que faz doer. Quando não discrimina o negro, a elite dominante o festeja com um paternalismo hipócrita ao passo que apropria e ganha lucros sobre suas criações culturais sem respeitar ou remunerar com dignidade a sua produção. Os estudos aprofundados dos órgãos oficiais e acadêmicos de pesquisa demonstram desigualdades raciais persistentes que acompanham o desenvolvimento econômico ao longo do século 20 e início do 21 com uma fidelidade incrível: à medida que cresce a renda, a educação, o acesso aos bens de consumo, enfim, à medida que aumentam os benefícios econômicos da sociedade em desenvolvimento, a desigualdade racial continua firme.


[Confira a relevante entrevista completa, cedida pelo Desinformémonos ao Brasil de Fato, clicando aqui].


sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Augusto Boal


“Todos os seres humanos são atores - porque atuam -
e espectadores - porque observam.”


Ele dizia isso. E estava certo. Augusto Boal, foi e sempre será um grande nome expressivo para a história do teatro e da dramaturgia. Nascido no Rio de Janeiro, em 1931, sua vivência até o ano de 2009 rendeu-lhe, dentre trabalhos marcantes, a fundação do Teatro do Oprimido, que vai além de qualquer conjuntura limitada de uma técnica teatral, pois carrega em sua essência, marcas e ações sociais, dialogando com a discussão essencialmente humana, cultural e política.

Suas obras foram simples, grandiosas, educativas e libertadoras. Causam sentimentos e impactos que perduram até hoje em pessoas ao redor do mundo, influenciadas por sua sensibilidade.

Com produção de Lia Flores e Luciana Clark, o Programa Encontro Marcado com a Arte, retrata parte de suas perplexidades, seus desejos, seus pensamentos e sua história.



Parte 2
Parte 3


Homenagem Chico
- "Meu Caro Amigo"

Chico Buarque escreveu-lhe uma carta em forma de música, quando Boal vivia no exílio em Lisboa, no periodo de ditadura militar no Brasil.



Aqui na terra tão jogando futebol
Tem muito samba, muito choro e rock'n'roll
Uns dias chove, noutros dias bate sol.

Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui...


quarta-feira, 17 de novembro de 2010

.

O ódio é também uma maneira de se estar com alguém.

Já a indiferença não aceita declarações ou reclamações:
seu nome não consta mais no cadastro.

Para odiar alguém, precisamos reconhecer que esse alguém existe e que nos provoca sensações, por piores que sejam. Para odiar alguém, precisamos de um coração, ainda que frio, e raciocínio, ainda que doente. Para odiar alguém gastamos energia, neurônios e tempo.

O ódio, se tivesse uma cor, seria vermelho, tal qual a cor do amor.

para sermos indiferentes a alguém, precisamos do quê? De coisa alguma.
Não julgamos seus atos, não observamos seus modos, não testemunhamos sua existência.
Ela não nos exige olhos, boca, coração.

A indiferença, se tivesse uma cor, seria cor da água, cor do ar, cor de nada.

O amor e o ódio habitam o mesmo universo,
enquanto que a indiferença é um exílio no deserto.


.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Fredo, o artista prodígio

Fredo é um prodígio das artes. Com apenas 17 anos, o jovem chileno parece querer iludir quanto a sua idade, visto que desenha como gente grande. Seus trabalhos, aliás, não param por aí quando o assunto é ilusão.

Suas obras desafiam as leis bidimensionais do papel e parecem ganhar vida própria, muitas vezes interagindo com objetos reais a sua volta. Quando a foto é tirada do ângulo certo, fica difícil diferenciar o que é real e o que é desenho.










Fonte: Zupi

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

We All Want to Be Young

Resulta diversos estudos dos últimos 5 anos, realizados pela BOX1824 , empresa criada pelos publicitários gaúchos Rony Rodrigues e João Paulo Cavalcanti. Especializada em tendências de comportamento e consumo, a pesquisa atenta uma nova etapa das últimas gerações.

A geração 2.0., aceleradamente mais ansiosa, mas passiva. Espontânea, mas com medo. Livre, mas insegura. Sonhadora, mas com desconhecimento de seus heróis.

Entretanto, mais do que nunca, para entender o mundo, é preciso entender esses jovens, que são os catalisadores das grandes mudanças. E, sem dúvidas, agentes e sujeitos de uma das épocas mais pluralizadas da história humana.

Entender a evolução do mundo é uma busca
que pode nos manter jovens para sempre.


Roteiro e direção: Lena Maciel, Lucas Liedke e Rony Rodrigues.





Cartas para Pedro II

Pedro, tu viestes!


Ainda não nos encontramos, Pedro.
Mas hoje, acordei mais feliz por saber que foi o dia da tua chegada.
E sorri ao ver teu rostinho. Ao te ver nos braços dos teus pais.

Daqui uns anos, minhas cartas serão lidas.
E eu irei te lembrar do que estou sentindo.

Bem-vindo a este mundo.

Um beijo.
Di.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Afram [G3]


Juninho Afram é, sem dúvida alguma, um dos guitarristas mais autênticos que eu pude conhecer. Não apenas por ser considerado por tantas vezes o melhor do Brasil e um dos melhores do mundo, mas por toda sua representação. Ouço desde criança (criança mesmo) pela influência que a Oficina G3 sempre me causou. Assisti ao vivo a banda umas cinco vezes. E é sempre uma grande boa surpresa. As fases, o amadurecimento, a firmeza, a sonoridade, a luz e principalmente a ousadia no “experimentar” em cada trabalho novo.

Tudo isso me faz relembrar algo que, para mim, significa bastante: a primeira entrevista que fiz na vida foi com a banda. Aquelas tentativas que dão muito certo e que a gente jamais se arrepende. Primeiro mês de faculdade. Pelotas. Março de 2006. A simplicidade de cada um. A sintonia de ideias. A livre segurança que me passaram. A diversidade de cada integrante. E uma "palhinha" no meio da conversa para trazer pra sempre comigo, o som frenético da Tagima do Juninho.


[Assim que eu conseguir resgatar o material e passar para mp3, postarei aqui a entrevista, na íntegra. Por enquanto, vai um solo clássico - do dvd O Tempo - que retrata um pouco o porquê do meu respeito]:



Good times...

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Contra o tempo, ao mesmo tempo.


Nada no lugar,
let it be, deixe estar.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Que o espelho reflita em meu rosto...



um doce sorriso
que eu me lembro ter dado na infância.

.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Meu país elegeu a primeira mulher para a Presidência da República


A maioria do meu país optou pela continuação de um governo – pesem as falhas – mas que entre os anos de 2003 e 2008, somou 21 milhões de brasileiros que deixaram a miséria e outros 32 milhões que ascenderam à classe média.

Meu país reconheceu o cuidado mais humano que essa terra vivenciou nos últimos anos e resolveu que é preferível continuar aumentando o sistema educacional público, onde, muitos jovens tiveram a oportunidade de cursar uma universidade particular. Eu sou fruto dessa geração.

E sim, reconheço muitas contradições nas políticas dos últimos tempos. Eu, como declaradora da esquerda, dos movimentos populares sociais e da luta contra a “dominação hegemônica” , sei do quanto ainda precisamos avançar. Não só em índices. Mas em qualidades. Conceitos. Afirmações. Lugares de falas. Reconhecimentos. Prioridades. Humanismos. E principalmente construções sociais.

Torço para que o meu país diverso, bonito e guerreiro, o meu Brasil que, nas palavras de Chico Buarque, “não mais falou fino com Washington, nem grosso com a Bolívia”, continue sendo reconhecido no exterior como terra de pessoas simples, mas orgulhosas de uma realidade já diferente de décadas atrás. E que, acima de tudo, seja reconhecido pela sua própria gente, como um País forte, que não perdeu a esperança. E que precisa voar.

Impossível não destacar “Novo tempo”. Canção que me enche de força. E própria para o momento.



Composição: Ivan Lins / Vitor Martins

No novo tempo, apesar dos castigos
Estamos crescidos, estamos atentos, estamos mais vivos
Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer.
No novo tempo, apesar dos perigos
Da força mais bruta, da noite que assusta, estamos na luta
Pra sobreviver, pra sobreviver, pra sobreviver.

Pra que nossa esperança seja mais que a vingança
Seja sempre um caminho que se deixa de herança
No novo tempo, apesar dos castigos
De toda fadiga, de toda injustiça, estamos na briga
Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer.

No novo tempo, apesar dos perigos
De todos os pecados, de todos enganos, estamos marcados
Pra sobreviver, pra sobreviver, pra sobreviver
No novo tempo, apesar dos castigos
Estamos em cena, estamos nas ruas, quebrando as algemas
Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer.

No novo tempo, apesar dos perigos...

domingo, 31 de outubro de 2010

Poema negro

Para iludir minha desgraça, estudo.
Intimamente sei que não me iludo.
Para onde vou (o mundo inteiro o nota)
Nos meus olhares fúnebres, carrego
A indiferença estúpida de um cego
E o ar indolente de um chinês idiota!

A passagem dos séculos me assombra.
Para onde irá correndo minha sombra
Nesse cavalo de eletricidade?!
Caminho, e a mim pergunto, na vertigem:
— Quem sou? Para onde vou? Qual minha origem?
E parece-me um sonho a realidade.

(...)

Dorme a casa. O céu dorme. A árvore dorme.
Eu, somente eu, com a minha dor enorme
Os olhos ensangüento na vigília!
E observo, enquanto o horror me corta a fala,
O aspecto sepulcral da austera sala
E a impassibilidade da mobília.

Meu coração, como um cristal,
Se quebre o termômetro, negue minha febre,
Torne-se gelo o sangue que me abrasa,
E eu me converta na cegonha triste
Que das ruínas duma casa assiste
Ao desmoronamento de outra casa!

Ao terminar este sentido poema
Onde vazei a minha dor suprema
Tenho os olhos em lágrimas imersos...
Rola-me na cabeça o cérebro oco.
Por ventura, meu Deus, estarei louco?!
Daqui por diante não farei mais versos.

[Augusto dos Anjos]

sábado, 30 de outubro de 2010

Mundo Livre


Um dos movimentos que mais me chama a atenção na história da cultura brasileira, é o manguebeat. Surgido em Recife, na década de 90, com a particularidade da música regionalista somada ao maracatu, rock psicodélico, funk e cositas mas.
Um movimento que vai além da música, pois traz na sua conjuntura, um cunho social contestador, produzindo uma nova concepção do movimento cultural no Brasil. Algo no melhor sentido do "fora do eixo".

Dentre diversas bandas que se destacaram, (em breve falarei com mais detalhes e contextualizações sobre o movimento) a partir de Chico Science, não resisto em não falar da visceral Mundo Livre S/A.



São vários os aspectos positivos que encontro na banda. A contestação social. A valorização regional, ainda que não linear, pois vem carregada de diversidades, o que torna o mangue muito interessante. A musicalidade peculiar. E a poesia. Atraente.

Gosto desse lirismo marginal.
Essa ousadia simples nos versos.
Traz "realidade."

Essa música "Meu esquema" é um dos exemplos.


Me conquista.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

My witness, I'm hungry!


Rage Against the Machine, uma das mais influentes bandas da década de 90, tem em sua característica identitária, a diversidade do rock com funk, hip hop, punk e metal.

A banda veio ao Brasil e se apresentou no Festival SWU, em Itu, São Paulo, nesse mês.

Não, não estou pensando em noticiar nada, afinal, estou fora de tempo. E não tenho nada além para descrever, pois, de fato, não estive presente no Festival – ainda que eu curiosamente tenha perguntado cada detalhe para quem assistiu o show ao vivo. Não há o que dizer com propriedade. Só estou aqui para falar que Rage é uma banda que eu respeito, tanto musicalmente, como em sua proposta de busca pela liberdade de expressão.

Com sua representação “polêmica” ao senso comum, eles dedicaram a música "People of the sun" ao MST, organização que esteve representada por diversos integrantes no encontro com a banda no mesmo dia do show. Rage doou parte do cachê recebido ao movimento social e, obviamente, foi ‘cortada misteriosamente’ na edição pela transmissão da Rede Globo quando destacou a valorização inexistente, mas necessária a grupos políticos sociais, que tanto sofrem criminalização por parte de autoridades e pela mídia de massa. Nesse caso, em especial, referiu-se ao MST.

O firmamento da proposta de protesto e mensagens contra a censura e a modelos políticos autoritários é uma forte característica da banda – hoje muito criticada por alguns que questionam seu contrato com uma das mais poderosas gravadoras do mundo: Sony Music; paradoxalmente contra seu próprio discurso antagônico a “grandes acumulações de lucros”- pesem os dois lados, vale o debate.

Mas estou certa de que Rage já conseguiu ultrapassar muitas barreiras do mundo artístico e "meter a boca no trombone" com ações já concluidas no campo social e que devem ser levadas em conta como um avanço.

O show no Brasil expressou um resultado venenoso e empolgante na noite do dia 10 de outubro.

Destaque à segurança e à pressão do vocal de Zack de La Rocha; aos efeitos exitantes da guitarra de Tom Morello; ao som diferenciador do baixo de Tim Commerford e ao peso incansável da bateria de Brad Wilk.


terça-feira, 26 de outubro de 2010

Participo, agora, de um filme...

Uma brincadeira que recebi de um amigo.

E bem... essa distribuição de papéis deveria ser revista.

Enfim...

[Fábio, tu me pagas!]

CLIQUE AQUI para assistir.
É rápido e bem criativo. :)

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Que a poesia sobrepuje a mediocridade

Assistimos todos, entre perplexos e enojados, a um funéreo e infame cortejo de temas miúdos, sentimentos nada edificantes e “máfias” ou “bandos” que, humanistas que somos, imaginávamos já estarem ultrapassados, enterrados no lixo do passado, da história.

Mas o ódio não vencerá o amor. O amor – fundamento de todo humanismo – prevalecerá. A nossa poesia sobrepujará essa mediocridade que tenta nos amarrar as pernas, emudecer o grito libertário e atravancar a leveza do nosso caminhar. A luz destruirá as trevas, iluminando assim o sol de um novo mundo. “Brasil, um sonho intenso, um raio vívido /de amor e de esperança à terra desce...”.

E, observe bem, não queremos/desejamos muito. Queremos/desejamos pouco; “apenas” uma sociedade menos desigual. Anote ainda: apenas começamos a “amortizar” essa secular e imensurável dívida social que esse país [paradoxalmente tão injusto, pois extraordinariamente grande, rico e generoso] ainda tem para com parcela significativa do seu povo que ainda vive na pobreza: “Se o penhor dessa igualdade/conseguimos conquistar com braço forte.../ Gigante pela própria natureza/ és belo, és forte/ Impávido colosso/ e o teu futuro espelha essa grandeza...”.

Mas como derrotar, de modo definitivo, essas forças medonhas do mal e do medo que ora nos afligem/atormentam? Esses que se utilizam da infâmia, da maledicência, da manipulação, da torpeza, em suma dos meios mais baixos para ganhar essa eleição – nem que para esse fim se utilizem da fraude, da mentira e do “tapetão”. Sabemos que o que está em jogo é muito mais que uma eleição. “Mas, se ergues da justiça a clava forte/ Verás que um filho teu não foge à luta/ Nem teme, quem te adora,a
Própria morte/ Terra adorada...”.

“Verás que um filho teu não foge à luta”.

Saiamos às ruas. Organizemo-nos em grupos de amigos e/ou familiares; conversemos uns com os outros, e com outros mais nossos concidadãos, que ainda não se aperceberam dessas forças reacionárias e atrasadas que ameaçam matar, ainda no berço, esse nosso novo projeto de país já em curso: uma nação mais justa, humana e solidária, uma nação desenvolvida e diversa como nós, com a nossa cara.

Humanistas de todas as crenças e ideologias, uni-vos! Preguemos o humanismo como fundamento de uma nova sociedade brasileira. Que a poesia sobrepuje a mediocridade.

[N.A. Utilizei-me, ad libitum, de excertos do Hino Nacional como marcadores da cadência semântica da mensagem]


*Seleções minhas do artigo do cronista e poeta
Lula Miranda, publicado originalmente no sítio Carta Maior

sábado, 23 de outubro de 2010

Society

Into the Wild é daqueles filmes que, além da qualidade no roteiro e na direção, possui trilhas equivalentes a sua estética.

Dirigido por Sean Penn, baseado no livro homônimo do jornalista Jon Krakauer, a obra reflete na busca pela liberdade individual, distante do paradigma de uma sociedade intolerante à quebra de posições - ainda que confortáveis - para a construção de sua identidade humana.

Na lista de sua trilha sonora, o filme conta com Eddie Vedder, vocalista do Pearl Jam, na versão de “Society”, escrita por Jerry Hannan.



Confira aqui o trailer do filme.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Sexta-feira


Por entre palavras ditas
Noturnos beijos contidos, incompletos
E mesmo com tua intrepidez em cicatrizar meu ímpeto
Te tenho como esconderijo
Em minhas entranhas
E os pesadelos de desejos, sentimentos humanos
Já não sei mais onde estão

Acho que aqui
Espalhados visceralmente pela minha pele.
Reprimidos? Me diz por que eles me insistem
Como amedrontadas perguntas latentes.

Meus olhos e minha tristeza calma
Refletem tuas marcas
Apagadas e sem cor
E queixam tua volta ausente,
Fria, com promessa incerta
E inseguramente remota a mim.

Eu misturo linguagens
Movimentos de sintonias e versos
Fujo às regras invisíveis do lirismo
Concretizo incertezas sem linhas
Me confundo na poética
Na prosa, semiótica
Sem saber de nada
Pra dizer que te sinto.

Olha,
Hoje eu queria ver o infinito
E ainda assim
Junto a ti.

domingo, 17 de outubro de 2010

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Cartas para Pedro I

Tu irás conhecer o amor



Pe
, ainda não nos conhecemos, mas parece que já imagino teu sorriso, teu rostinho e teu olhar inocente.
Estou ansiosa pela tua vinda. Será a primeira vez que terei, finalmente, um contato forte, com algum bebê próximo. Me sinto orgulhosa disso, pois ainda não fui tia, nem dinda, nem mãe, nem irmã mais velha. Mas agora, em breve, tu estarás chegando. E ainda que eu não seja nenhuma dessas funções que citei, serei tua amiga. Próxima. E isso me basta, Pe. Iremos brincar juntos.

Saiba que tua família é como se fosse a minha. Os amo com intensidade e respeito. Aliás, o amor carrega consigo essas duas questões. Tu irás conhecer e viver o amor, pois ele já está sendo transmitido a ti.

Me sinto feliz em poder fazer parte, ainda que indiretamente, dessa união dos teus pais.
Me sinto tranqüila por saber que tudo está dando certo na véspera da tua vinda ao mundo.

Pe, não se assuste com a vida aqui fora.
Eles irão segurar tua mãozinha. Tu serás acalmado quando chorares. E teus sorrisos serão incentivados a continuarem existindo. Eu tenho certeza.

Eu to aqui, em Pelotas, cidade que teus pais se conheceram.
Mas ó, em breve eu estarei aí. Junto com vocês três: Papai Iza, mamãe Li e tu.

E iremos nos divertir muito.
Vem logo.

Com carinho e felicidade,
Di.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Só.


este silêncio dentro de mim

grita.


Foto: Daiane Santos

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Rosa Tattooada - Uma noite de rock’n roll em Satolep

Com lembrança aos clássicos de mais de duas décadas de história, juntamente com o lançamento do single “Novo estilo” e nostálgico tributo aos Cascavelletes, a consagrada banda Rosa Tattooada, esteve presente na última quarta-feira (6), em Pelotas.

Escolhida pela etapa Pelotas do Good Music Rock Festival - prêmio que aposta em novidades do rock gaúcho-, a banda, após a apresentação de músicos pelotenses classificados, tocou por mais de duas horas com um show irreverente e visceral, digno do rock’n roll.

De acordo com a coordenação estadual do festival, a escolha da Rosa Tattooada como banda oficial do evento, teve total sintonia com a proposta do concurso: “valorizar fortemente o rock de qualidade que tem sido feito no Brasil”.

A banda esteve presente na RádioCom em um papo livre e muito interessante sobre música, no programa Navegando.

Na foto, o produtor da banda: Vini, ao lado de Barea (bateria), Valdi (baixo), Ediane Oliveira, Jacques Maciel (vocal/guitarra) e Juliano Lima.

Foto 1: Maiquel Rezende – Pelotas VIP



segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Enquanto tomo meu café amargo.



Não é fácil não pensar em você.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Deveria ser diferente - Que Igreja é essa?

A eleição presidencial teve todos os lances mesmo de pleito para prefeito dos grotões do interior, não somente no tipo de promessas feitas, mas na baixaria que correu solta na mídia e na globoesfera em termos de ataques pessoais, calúnias morais e demonização religiosa. Esse é um aspecto decepcionante, e indica quão longe o Brasil se encontra ainda de uma democracia consolidada. Tivemos um “reavivamento” da satanização das eleições de 1989 e de 1994, apenas trocando de “diabo” (onde se lia Lula, leia-se: Dilma).

As invencionices mirabolantes no plano moral e no plano religioso indicam a pobreza da ausência de partidos fortes, ideologias nítidas e programas claros e objetivos para o julgamento dos eleitores, que é o que, no fundo, interessa para uma boa gestão da coisa pública, para a afirmação da cidadania e para a promoção do bem-comum.

O mais lastimável foi ver o papelão de muitos evangélicos envolvidos nessas demonstrações de subdesenvolvimento político. As igrejas históricas, retraídas, já foram, no passado recente, submetidas a uma “amnésia compulsória” quanto ao pensamento e a ação desenvolvida no passado em nosso País, com exemplos notáveis de uma minoria discriminada com uma presença significativa.

Muitas dessas igrejas sofreram influência nas últimas décadas do fundamentalismo e a importação da polarização norte-americana. Os pentecostais saíram do gueto e da aversão à política para uma presença desordenada e pragmática, sem uma reflexão teológica adequada, e ainda obstaculados por sua escatologia pessimista, não conseguindo superar o corporativismo clientelista, apanágio generalizado de seus concorrentes neo(pseudo)pentecostais.

Com uma cultura política limitada, muitos evangélicos, de diversas denominações, foram presas fáceis e massa de manobra para políticos espertalhões (e líderes religiosos comprometidos com essa experteza). O resultado, em termos do que circulou, principalmente pela internet, foi vergonhoso. Uma coisa é certa: a comunidade evangélica se apequenou nesse pleito e saiu arranhada em sua imagem e credibilidade.

É hora de saco e cinza, de autocrítica, de arrependimento, de iluminação do pensamento pelo Espírito da Verdade, para que, nas futuras eleições, nosso quantitativo se relacione com o qualitativo, e possamos dar um testemunho maduro, que concorra para o bem da Pátria. E que essas “guerras (nada) santas” sejam apenas uma lamentável página do passado a ser esquecida.

[Por Robinson Cavalcanti, publicado originalmente no PavaBlog]
.

Como qualquer pessoa, tenho minhas razões e minha visão a respeito da realidade em que a igreja se encontra. Não posso - e não vou conviver com quaisquer verdades que sejam estranhas a minha consciência. Escolho lutar contra toda e qualquer alienação para que meu coração não se atrofie. Está doendo.

Estou cansada como cidadã e como representante de um estilo de vida firmado em um cristianismo libertador - totalmente oposto ao que lamentavelmente encontro no discurso e no declínio do entendimento, os quais deveriam expressar e viver transformações dignas de um progresso. Engana-se muito quem pensa no cristianismo como religião. Estou falando de plenitude. De algo totalmente diferente aos dogmas escravistas.

Acontece que tudo se inverteu. Ao menos, em sua grande maioria. O que é uma intensa pena. Mas ainda há chance para aqueles que se posicionam contra o sistema fundado no corporativismo capitalista, tão distante do interior restaurado, limpo e reformista. Tão longe e antagônico ao distanciamento necessário à religiosidade. Impregnada. E crucial.

Minha firmeza está na revolução do amor. Aquela que desafia meu ser a "não buscar apenas os meus interesses, não folgar com a injustiça, mas sim com a verdade"; a não ser apenas como "o metal que soa ou como o sino que tine" e a não me "conformar com este mundo, mas me transformar pela renovação do meu entendimento". Todos os dias. Incansavelmente.

Já está na hora do conservadorismo abrir as comportas para a luz do conhecimento e, se pensar em voltar os seus olhos para a política, que reveja conceitos (se é que eles realmente existem) e lembre de pessoas e influências do mesmo (?) - deveria ser - meio que não envergonharam a sociedade, mas buscaram a paz, acima de tudo. Legado que todo o cidadão deveria ter.

Martin Luther King buscou. Além de se tornar a pessoa mais jovem a receber o Prêmio Nobel da Paz em 1964, levantou-se contra a violência e a desigualdade racial durante grande parte de sua história. De tantos exemplos desinteressantes e dominantes que o Brasil copia dos Estados Unidos - e agora quero me referir ao movimento evangélico, tão influenciado pelas coisas "de fora", vale lembrar e se atentar para King, que não somente se diferenciou dessa onda escandalizadora, como conviveu com os mais diversos povos, tendo a bandeira do "amor" em seus discursos e ações. Ele se destacou por sonhar com um mundo melhor e mais questionador.

Buscou um mundo que fosse protestante no verdadeiro, melhor e despreconceituoso sentido da palavra.