domingo, 15 de fevereiro de 2009

Olhe para todos ao seu redor...


... e veja o que temos feito de nós.

Não temos amado, acima de todas as coisas.
Não temos aceito o que não se entende porque não queremos passar por tolos.
Temos amontoado coisas e seguranças por não nos termos um ao outro.
Não temos nenhuma alegria que já não tenha sido catalogada.
Temos construído catedrais e ficado do lado de fora pois as catedrais que nós mesmos construímos, tememos que sejam armadilhas.
Não nos temos entregue a nós mesmos, pois isso seria o começo de uma vida larga e nós a tememos.
Temos evitado cair de joelhos diante do primeiro de nós que por amor diga: 'tens medo.'
Temos organizado associações e clubes sorridentes onde se serve com ou sem soda.
Temos procurado nos salvar mas sem usar a palavra 'salvação' para não nos envergonharmos de sermos inocentes.
Não temos usado a palavra 'amor' para não termos de reconhecer sua contextura de ódio, de ciúme e de tantos outros contraditórios.
Temos mantido em segredo a nossa morte para tornar nossa vida possível.
Temos disfarçado com falso amor a nossa indiferença, sabendo que nossa indiferença é angústia disfarçada.
Temos disfarçado com o pequeno medo o grande medo maior e por isso nunca falamos no que realmente importa.
Não temos adorado por termos a sensata mesquinhez de nos lembrarmos a tempo dos falsos deuses.
Não temos sido puros e ingênuos para não rirmos de nós mesmos e para que no fim do dia possamos dizer “pelo menos não fui tolo” e assim não ficarmos perplexos antes de apagar a luz.
Temos sorrido em público do que não sorriríamos quando ficássemos sozinhos.
Temos chamado de fraqueza a nossa candura. Temo-nos temido um ao outro, acima de tudo.

E a tudo isso consideramos a vitória nossa de cada dia.

.
Hoje as palavras quiseram expressar o mesmo que esse desabafo de uma das minhas grandes influências, a intensa Clarice Lispector em 'Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres'.
É o último romance dela. Esse livro me trouxe um puro tratamento do mundo feminino a respeito da vida tratando-se da personagem principal porque no geral, eu aprendi um pouco da vida.

Antes de qualquer palavra escrita no texto encontra-se uma vírgula, responsável por eu entender como uma história sem começo concreto, o que, sem dúvidas, me deu grande margem para imaginar inúmeros princípios. Já no final da história, Clarice criativamente termina com dois pontos, trazendo a idéia de continuidade, uma história que não acabou por ali. Essa ousadia de fazer com que o leitor veja o mundo e a vida da personagem Lóri existindo antes do livro e conseqüentemente depois, traz percepções diversas e questionamentos. Mas traz também satisfação por podermos 'escrever o próprio final'.

Clarice sempre me surpreendeu. De “Perto do coração selvagem”, conhecendo um pouco mais em “Água viva”, passando pelo seu clássico “A hora da estrela” e agora, chegando em uma “Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres”. Percebo claramente seu espírito humanístico em escrever cada história como se fosse de fato, real; seu interessante atrevimento com as palavras; sua sensibilidade com as relações; sua inconformidade com a normalidade e seus extremos com suas oposições: hora ódio, hora amor, hora alegria disfarçada, hora desleal angústia.

Neste romance, não existem 'cerimônias textuais'. Clarice parece não ter a grande preocupação no entendimento literal de suas escritas por parte do leitor, mas no impacto em que sua obra vai causar. Ela escreve com uma liberdade nua e desarmada e isso me fez mergulhar mais a fundo em suas palavras, me permitindo até mesmo conhecer um pouco de seu 'mundo' nos seus próprios textos. Ela escreve com a alma.

Lá existem pedidos de “renda-se” a satisfações misteriosas, “submerja-se” em outros horizontes, “permita-se” um pouco mais. Um romance interessante, com uma compreensão não muito fácil, mas com um riquíssimo jogo de histórias que se unem, tornando o verbo “aprender” algo ainda mais fascinante e necessário do cotidiano.

Mas há algo mais. Todo esse 'clamor' de prazer por aprender algo de útil nessa vida me instiga, me faz querer entender mais o que faço aqui. O que estou fazendo de mim. O que estamos fazendo do nosso próprio universo sem fim.
Muitas vezes nem sabemos o porquê a dor não passa. Somos donos da nossa dor. Construímos nossos sonhos e o nosso 'fechar' de olhos para a nua realidade muitas vezes é capaz de desabar o castelo feito de areia no solo do nosso paraíso humano e imperfeito. Eu quero sonhar o surreal. Eu quero conhecer minha verdade também.
Não temos enxergado o bonde da felicidade passar na frente da porta da nossa casa. Ele parece tão longe, mas está ali, logo depois da entrada do nosso próprio caminho.

É só deixá-lo estacionar.

2 comentários:

Georgia disse...

Cada vez que venho aqui eu sinto um orgulho enorme de ser sua amiga...
Vc é o máximo...
Quero muito ler esse livro agoraa, depois das suas palavras...
Tb quero sonhar o surreal e quero esse bonde na minha porta imediatamente...rs
Amo vc lindona
Amo ler suas palavras
Um beijo enorme

E lembra sempre: estou esperando a hora de ver esse seu mundo eternizado

JAIRO SANGUINE disse...

Didi, querida...bom ler teus escritos e vejo neles uma enorme entrega às palavras, essas cada vez mais nos lugares mais certos.
Beijo