quarta-feira, 22 de abril de 2009

Existem sons lá fora...

... Faz silêncio aqui.


Faz frio aqui. As luzes estão acesas e eu já me cansei desse episódio escuro dentro de mim que aos poucos se tornou rotina. O coração cheio, a mente vazia. A quantidade exacerbada de exercícios fadigados, o coração querendo entender ou simplesmente bater e o raciocínio precisando funcionar. Tantas palavras que talvez saiam em vão.

O mundo correndo lá fora. E as mesmas palavras de sempre. Liberdade e silêncio? O que eu sei disso tudo? Hoje já nem tem melodia, mesmo que triste, mesmo que sempre presente. O céu chorou ao me ver. E eu chorei quando vi o que fiz de mim mesma e com o próprio céu que sempre chora por mim.

O quarto está vazio e o que resta são os sons do pensamento ao tentar entender o que foi feito do passado melhor. O que virá amanhã. O quê?
Os cães lá fora latem. E eu já não sei o porquê. Parecem querer ser ouvidos. Mas por quem? E quem há de se importar? Talvez eu seja a única que os ouce daqui, mas também não me importo. Fico igual ao mundo dormente. O mundo está dormindo como anjo e a noite grita lá fora junto com os cães. Esses meus olhos entreabertos soam como ser desatento àquilo que é real.

Há lições a fazer. A cada dia elas crescem como a quantidade de questionamentos e temor dentro de mim. Existe algo do outro lado que eu não sei o que é. Existe algo aqui dentro que eu ainda não descobri. Eu me sinto tão livre aqui, mesmo desconhecendo. Tão presa lá, mesmo não concluindo nada.
Passos misteriosos na rua, frustração aqui dentro. Os passos seguem caminhos. O coração chora pelo ser humano. Como a humanidade é estúpida e como essa minha fragilidade não tolera o descaso. Eu mesma já não tolero minha própria fragilidade.

Existe indiferença. Por que diabos eu ainda tento entender? O pensamento triste diz: "Tu destes espaço!". Eu não quero mais pensar. Amanhã tudo volta ao normal e eu também já não quero mais tentar me adaptar. Que se dane o encanto. E toda "melodia" que eu sempre achei encontrar. Pelo menos agora.
Ao menos nessa noite fria.

4 comentários:

Georgia disse...

O quarto está vazio e o que resta são os sons do pensamento ao tentar entender o que foi feito do passado melhor. O que virá amanhã. O quê?


Pq sinto o mesmo hein?
Parece que ninguém se importa...mas sempre tem alguém que vê tudo isso...ACREDITE
Vc sempre sensacional....amooo
Bjo

Catarine disse...

'Amanhã tudo volta ao normal e eu também já não quero mais tentar me adaptar. Que se dane o encanto. E toda "melodia" que eu sempre achei encontrar.'

instigasse a curiosidade da tua amiga. retiro o que eu disse ontem, texto PERFEITO!

aninha #) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
aninha #) disse...

O mundo é dormente e a única forma de ele reagir é através dos nossos questionamentos, eu acredito nisso, ao menos. Portanto, não deixa de pensar, de te inquietar.. Alguém se importa com tudo isso sim e existem pessoas como tu, isso faz com que tua voz deixe de ser um grito solitário. #)

Olha eu, tri metida oO HIAEOHEA Bom, gostei do blog e do texto! Passarei por aqui mais vezes ;) Beijos!